Glioblastoma Multiforme - aprender a viver com ele

segunda-feira, Fevereiro 12, 2007

Dúvidas...

Depois de 9 ciclos de Temodal e de um progressão do tumor,levámos a minha mãe a dois centros de renome espanhois. Um deles indicou por ordem de preferência os seguintes tratamentos:

(não estou a prescrever...)
1- IRINOTECAN (teve de se abdicar da associação ao avastin porque a minha mãe sofre de coagulopatia)
2-CETUXIMAB
3-IMATINIB+HIDROXIUREA

Em seguida vou transcrever os resumos dos artigos que sustentaram estas prescrições, para que possamos ver as doses:


1- IRINOTECAN:
(citando)

"1: Cancer. 2003 May 1;97(9 Suppl):2381-6. Links
Two studies evaluating irinotecan treatment for recurrent malignant glioma using an every-3-week regimen.Cloughesy TF, Filka E, Kuhn J, Nelson G, Kabbinavar F, Friedman H, Miller LL, Elfring GL.
Henry Singleton Brain Cancer Research Program, UCLA School of Medicine, Los Angeles, California 90095, USA. tcloughesy@mednet.ucla.edu

Two studies were performed to evaluate the safety, tolerability, and efficacy of irinotecan (CPT-11) in the treatment of adults with malignant glioma. Patients with progressive or recurrent malignant gliomas were enrolled. In the first study, CPT-11 was administered once every 3 weeks as a 90-minute intravenous infusion at a dose of 300 mg/m(2). After 2 treatments, doses were increased to 350 mg/m(2) in those patients without Grade 3/4 toxicities. Dose modifications were made for toxicities. All 14 patients who enrolled (11 males and 3 females) were treated with CPT-11 and were assessable for survival, response, and toxicity. The majority of patients (86%) had prior surgery. Two patients had a confirmed partial response (PR), and 2 patients (14%) had stable disease (SD). Median survival was 24 weeks; median time to tumor progression (TTP) was 6 weeks. The primary hematologic toxicity was Grade 3/4 neutropenia, which was observed in 14% of patients. Infrequent Grade 3/4 nonhematologic toxicity was observed, possibly due to the concomitant use of anticonvulsants that might have altered pharmacokinetics. The second study evaluated the potential underdosing observed in patients who did or did not receive enzyme-inducing antiepileptic drugs (EIAED) by implementing an intrapatient dose escalation design. In this open-label study, treatment of patients with recurrent malignant glioma (rMG) was started at 300-400 mg/m(2) of CPT-11 every 3 weeks and, depending on individual safety and efficacy evaluation, escalated by steps of 100 mg/m(2) in subsequent courses. Thirty-five patients (median age, 43 years; gender, 11F and 24M; histology, 26 glioblastoma multiforme and 9 anaplastic glioma) have completed at least two cycles of chemotherapy and are evaluable for toxicity and response. Dose-limiting toxicity (DLT) was reached in 12 patients at doses ranging from 400-1700 mg/m(2). Preliminary efficacy data show that 3 patients exhibited PR and 15 patients exhibited SD. Median TTP was 2.7 months, and median survival was 8.5 months. Patients who did not receive anticonvulsants achieved higher peak concentrations, relative to dose, of the active metabolite SN-38 than did patients in the EIAED group. This study confirmed the activity of CPT-11 in malignant glioma and indicated that the maximum tolerated dose (MTD) for patients with rMG was considerably higher than expected but still possessed significant variability. A higher level of efficacy for CPT-11 may be observed if an MTD can efficiently be established for each patient. Copyright 2003 American Cancer Society.DOI 10.1002/cncr.11236

PMID: 12712460 [PubMed - indexed for MEDLINE]"


2- CETUXIMAB


"1: Cancer Biol Ther. 2006 Aug;5(8):912-4. Epub 2006 Aug 23. Related Articles, Links


Comment in:
Cancer Biol Ther. 2006 Sep;5(9):1242-3.

Long term responses with cetuximab therapy in glioblastoma multiforme.

Belda-Iniesta C, Carpeno Jde C, Saenz EC, Gutierrez M, Perona R, Baron MG.

Translational Oncology Unit CSIC-UAM, Medical Oncology Division, Hospital Universitario La Paz, Universidad Autonoma de Madrid, Madrid, Spain. cbelda@iib.uam.es

Glioblastoma multiforme (GBM) is responsible for most of the deaths associated with primary brain tumors. Standard treatment includes maximal surgical resection followed by chemotherapy and concomitant radiotherapy. Most patients, however, recur shortly after treatment. Second line treatment has little efficacy and the majority of patients die soon from the disease. Recent advances in molecular biology have implicated the epidermal growth factor receptor (EGFR) signaling pathways in the progression and resistance to standard therapies for GBM. This has prompted the evaluation of EGFR tyrosine- kinase inhibitors with encouraging results. Cetuximab is a monoclonal antibody targeted against the extra cellular domain of the EGFR with activity against different tumor types, either alone or in combination with chemotherapy and/or radiation therapy. Here we describe three patients with recurrent, heavily pretreated, EGFR expressing GBM who responded to treatment with single agent cetuximab.

Publication Types:
Case Reports

PMID: 16929166 [PubMed - indexed for MEDLINE]"


3- IMATINIB+HIDROXIUREA

"Phase II study of imatinib mesylate plus hydroxyurea in adults with recurrent glioblastoma multiforme.Reardon DA, Egorin MJ, Quinn JA, Rich JN, Gururangan S, Vredenburgh JJ, Desjardins A, Sathornsumetee S, Provenzale JM, Herndon JE 2nd, Dowell JM, Badruddoja MA, McLendon RE, Lagattuta TF, Kicielinski KP, Dresemann G, Sampson JH, Friedman AH, Salvado AJ, Friedman HS.
Department of Medicine, Cancer Institute, University of Pittsburgh, Pittsburgh, PA, USA. reard003@mc.duke.edu

PURPOSE: We performed a phase II study to evaluate the combination of imatinib mesylate, an adenosine triphosphate mimetic, tyrosine kinase inhibitor, plus hydroxyurea, a ribonucleotide reductase inhibitor, in patients with recurrent glioblastoma multiforme (GBM). PATIENTS AND METHODS: Patients with GBM at any recurrence received imatinib mesylate plus hydroxyurea (500 mg twice a day) orally on a continuous, daily schedule. The imatinib mesylate dose was 500 mg twice a day for patients on enzyme-inducing antiepileptic drugs (EIAEDs) and 400 mg once a day for those not on EIAEDs. Assessments were performed every 28 days. The primary end point was 6-month progression-free survival (PFS). RESULTS: Thirty-three patients enrolled with progressive disease after prior radiotherapy and at least temozolomide-based chemotherapy. With a median follow-up of 58 weeks, 27% of patients were progression-free at 6 months, and the median PFS was 14.4 weeks. Three patients (9%) achieved radiographic response, and 14 (42%) achieved stable disease. Cox regression analysis identified concurrent EIAED use and no more than one prior progression as independent positive prognostic factors of PFS. The most common toxicities included grade 3 neutropenia (16%), thrombocytopenia (6%), and edema (6%). There were no grade 4 or 5 events. Concurrent EIAED use lowered imatinib mesylate exposure. Imatinib mesylate clearance was decreased at day 28 compared with day 1 in all patients, suggesting an effect of hydroxyurea. CONCLUSION: Imatinib mesylate plus hydroxyurea is well tolerated and associated with durable antitumor activity in some patients with recurrent GBM.

PMID: 16361636 [PubMed - indexed for MEDLINE]"


A decisão terapeútica aqui no hospital onde a minha mãe vai receber o tratamento escolheu a terceira opção. A minha questão é, porquê? Vejamos os argumentos que me foram dados:

1 - irinotecan (CPT11) - a oncologista diz que as doses propostas são arrasadoras para a medula ossea
2 - Cetuximab (erbitux) - a oncologista recusou este porque diz que dá muito toxidade cutanea
3 - Imatinib (Gleelvec) + Hydroxiurea - foi o tratamento escolhido pela equipa terapêutica - razão da escolha - permite uma melhor qualidade de vida.


Não tenho muita experiência, nem conhecimentos médicos mas da simples leitura dos resumos acima tenho dúvidas sobre se esta é a melhor escolha... Alguma ideia???

Minha mãe está piorando muito... precisa de algo rápido e agressivo...

7 Comments:

  • ola carol o meu nome e paula vivo ha 18 anos na suica eu e meu marido jose tinhamos uma vida boa com alguns altos e baixos mas serena sempre nos demos bem quando casamos passado um ano o irmao de meu marido morreu com leucemia tinha16 anos depois ha 1o anos atras meu pai com um tumor nos pulmoes passado 2 meses descobri um tumor na cabeca um tumor ormonal que apessar de nao ser maligno e para toda a vida ao qual tem uma doenca que tenho que vigiar todos os meses acromegalia isto e faz crescer os ossos e os muscukos nao suportao o peso por sorte nao sou ums pessoa de engordar se nao era um bola mas com uma injecao que tomo todos os meses vivo controlada em desembro de 2005 fomos a portugal passar o natal meu marido conduzio para la e para ca 2353 kl pra cada lado tudo bem voltamos em janeiro e passado uma semana ele comecou muito dormido e com dores de cabeca dia 13 de fevereiro comecou a vomitar ao qual o medico de familia dizia que era um viros da gripe que atakava o estomago 2 semanas de sufrimento mais tarde ele medico decidiu faser um MRI
    AO QUAL FOI LOGO DIAGONISTICADO UM GLIOBLASTOMA MULTIFORMA isto dia 27 de f 1 de marco foi operado ficou um pouco paralizado do lado esquero ao que recoperou nao total mas bastante o medico aconselhou a radio e o kimico junto mas o medico da radio alterou e deu -lhe so metade do radio pois disse que nao valia a pena pois ele nao durava muito vltei a falar com o medico que o operou ( por sinal o mesmo que me operou a mim) e ao qual medisse que era importante faser o kimico nisto passou os 3 meses e fomos a portugal pois o medico de familia disse pra eu olever que era bom pra ele fomos a um medico natural em lisboa que medisse que era grave mas se podia atrasar o crecimento do tumor gastei um bom dinheiro mas tinha comfianca depois voltamos e meu marido estava um pouco pior voltamos ao hospital e disserao que ele tinha que ser operado outra vez foi operadoa 30 de junho o medico disse correu bem mas tem de faser o kimico tenmodal pois pode ser que em 3 meses volte tudo outra vez asim foi meu marido nunca mais andou ou teve forca no braco esquerdo foi pra uma clinica quase na alemanha e depois veio para casa ao fim d3 3 semans teve um atake epiletrico e foi para o hospital depois foi um descalabre deixou de comer de falar e so queria dormir andou de hospital em hospital ate que no dia 15 de novenbro as 15 20 partiu estive com ele ate ao fim deixa uma filha com quase 3 anos e a mim que nao sei como vou viver sem ele muitas vese penso que isto e um sonho mau e que vai passar foi por isto que te escrevi tenho vesitado o blog do miguel francisco desculpa mas quero ajudar no que poder pois asim tb me ajudo a mim propia com uma historia de doencas nao e muito facil encontrar a serenidade mas tento desculpa mais uma ves mas perguntas-te se eu tinha uma historia pra contar ja te deixei o meu mail beijinhos e as melhoras da tua mae forca nao desistas paula machado

    By Blogger paula machado, at 10:43 da manhã  

  • Olá Paula,

    Vejo que a sua vida não tem sido fácil... mas também dá para perceber que é uma mulher de forças... Para além disso segundo percebi tem uma filha pequena, por isso espero que concentre todas as suas forças nela, que lhe dê carinho, compreensão e amor. Acho que é preciso ensinar as crianças a não se revoltarem com as infelicidades e a tentarem compreender o que por vezes é incompreensível...
    Quando 2006 começou eu pensei que ia ser uma ano em grande e desde fevereiro do ano passado que só acontecem tragédias na minha vida... Não consigo bem entender porquê... Pergunto porquê todos os dias e todas as noites. Imagino que você se faça a mesma pergunta... Mas acredite que tudo na vida tem uma razão de ser, por isso procure alegrias, corra atrás do melhor que a vida lhe pode dar... não se deixe abater pela tristeza... eu sei que é difícil, mas não é impossível.
    Estive a pesquisar sobre a sua doença que, ao que parece, está controlada... No entanto li que muitas vezes a cirurgia resolve o problema, por isso tente arranjar um neurocirugiao que a opere... Cá em Portugal há um muito famoso, o Professor Lobo Antunes. Já ouviu falar? Se quiser os contactos do consultório, eu posso lhe arranjar. Ele é um médico muito conceituado, pode ser que consiga resolver o seu problema...
    Ah, é verdade. Há ainda um bom médico suiço em Lausanne que sabe bastante sobre tumores cerebrais. Não sei se ele sabe muito do seu caso, mas não custa tentar... é o Dr. Roger Stupp, tenho trocado alguns mails com ele e pareceu-me uma pessoa bastante receptiva...
    Obrigada pelas palavras de apoio... é bom sentir que alguém, mesmo que nós não conheçamos, pensa em nós e nos ajuda como pode.. O miguel Francisco tem sido uma amigão, e agora você... Obrigada...
    A minha mãe está internada, muito fraca, mas começou a semana passada um novo tratamento... Tenho esperança.

    By Blogger Carol, at 5:31 da tarde  

  • ola carol!

    Em 1.º lugar agradeco-lhe por ter criado este blog, pois faz-nos sentir que não somos as únicas pessoas a partilhar deste problema e que realmente podemos ler relatos de pessoas que passam pelas mesmas angústias que nós e sobretudo por nos darem a conhecer das inivaçoes neste campo...apesar de ainda não serem as que desejávamos...

    Vejo que não escreve no blog ´há cerca de um mês...mas, espero que o continue, pois se não for através de blogs como o seu e da internet e do ir a médicos particulares para entendermos o problema ficavamos na ignorância...que há quem diga que é o melhor, mas eu não me incluo nessas pessoas...eu acho que temos de entender por que passam os nossos familiares para os podermos ajudar....dia após dia surgem mais dúvidas e incertezas, que não podem ser respondidas como gostariamos...

    Obrigada pelo seu depoimento e gostaria de poder continuar a acompanhar a sua história e um dia contar-lhe a minha...

    Ana Sofia

    By Blogger Ana Sofia, at 11:42 da tarde  

  • Olá descobri seu blog agora, ate entao li bastante o do miguel maisele parou de escrever e não sei porque??? esses blogs só tem nos ajudado..Enfim como pude ver vc tbem leu o livro o Ben Williams e porque não seguimos o protocolo dele como uma biblia! Temos visto ate agora que o protocolo brasileiro realmente não tem fumcionado e porque não seguimos o dele, sei que não encontraremos profissionais que nos ajude mais teremos que tentar sozinhas. Meu pai tem GBM e tem 61 anos de idade veio ao brasil com 16 anos morou então em portugal (pedra do altar) e hoje reside no interior mais interior mesmo do Parana a cidade dele é Boa esperança!
    Estamos desesperados porque não conseguimos ajuda de ninguem e essa doença é terrível!!
    Mande noticias meu email é adrinamhoffmann@hotmail.com

    By Blogger adriana, at 10:14 da tarde  

  • Ola Carol o meu nome é Verónica vivo em Setúbal.Através do blog do miguel vim parar aqui, infelizmente foi diagnosticado ao meu sobrinho de 7 anos um tumor cerebral (glioma do tronco do encefalo) que infelizmente pelo que tenho conseguido ver aqui na internet os prognosticos nao sao muito favoraveis...
    queria saber se sabes alguma coisa sobre este tumor???
    o tumor foi diagnosticado no dia 17 de setembro de 2007
    neste momento esta a fazer a segunda sessao de quimio no IPO em lisboa
    peço desculpa por invadir assim o teu blog, mas penso que deves imaginar o que estamos a passar neste momento...
    as melhoras para a tua mae
    um beijinho e espero que me respondas....

    By Blogger Verónica, at 12:17 da manhã  

  • Dê uma olhada nesta depoimento

    http://www.saudeforum.com.br/viewtopic.php?p=125883&sid=bcbe2dc520b2270185b5c0a1e9429ce4

    By Blogger Daniela, at 6:37 da tarde  

  • Meu nome é Thamyres. Sou aluna de farmácia da UFRJ, me formo no final desse ano, e trabalhei durante um tempo da faculdade com o glioblastoma.
    E por infelicidade, meu pai contraiu esse tipo de tumor.
    Fiquei arrasada quando o resultado da biópsia saiu, pois sempre soube da agressividade desse tumor e de como é difícil o tratamento e a possibilidade de cura.
    O meu pai foi diagnosticado com o glioblastoma tem pouco mais de 15 dias. Desde então não durmo. Estou realizando diversas pesquisas científicas e buscando terapias alternativas para o tratamento do glioblastoma além da radio e da quimioterapia.
    Podemos conversar por email. Quero tentar te ajudar nisso, pois sei que vc tem passado pela mesma situação.
    Mas pelas pesquisas que andei fazendo nos últimos tempos, vi que há esperança para a cura do glioblastoma.

    By Blogger Thamyres Coração, at 8:40 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home